Jéssica Kuhn indica “Encontros e desencontros”

Publicado dia 23 de julho de 2020

i-PSIne 🎬:

“Encontros e desencontros”
Nacionalidade: Estados Unidos
Ano: 2003
Direção: Sofia Coppola
Gênero: Drama, comédia
Duração: 1:42
Plataforma: Netflix, Now, Google Play, YouTube, Apple TV, Telecine, Amazon Prime

Encontros e Desencontros é o filme de maior sucesso de Sofia Coppola, tendo recebido o Oscar de Melhor Roteiro Original. Estrelado por Bill Murray e Scarlet Johansonn, o filme se passa em Tóquio. Ele, um ator em decadência que aceita fazer um comercial de bebida. Ela, a “esposa perfeita” de um fotógrafo. A partir do “vazio” existencial de cada um dá-se o inesperado encontro.

O título do filme, tanto no original “Lost in Translation” (literalmente, “Perdido na tradução”) como na versão brasileira, remete à dificuldade da tradução das emoções e impressões frente ao diferente. A alteridade que, ao promover o desencontro, veicula o mal estar (tal como no texto de Freud de 1929, “O Mal Estar na Civilização”). Por outro lado, o da versão brasileira tem a sensibilidade de também aludir ao encontro possível com aquele que está submetido à mesma experiência de estranhamento.

Bob e Charlotte se identificam na experiência do desconforto. Ela não encontra o olhar de John (o marido, que está o tempo inteiro ocupado) e tem que se haver com a própria interioridade. O que acontece com Bob não é muito diferente. E é dessa angústia de se estar apenas consigo mesmo que surge a possibilidade do encontro de ambos.

Se o filme parte da alteridade do sujeito em relação a uma cultura que lhe é alheia, ele avança até a experiência de alteridade do sujeito com o Outro de si mesmo, com o Outro que lhe habita: o seu próprio inconsciente. Quem será o estrangeiro que habita em mim?

Sentimentos como desamparo, tristeza, solidão e a estranha sensação de não-pertencimento brotam e nos fazem lembrar de nossa fragilidade humana.