Jéssica Kuhn indica “Noite de Ano Novo”

Publicado dia 31 de dezembro de 2020

i-PSIne 🎬:

“Noite de Ano Novo”
Nacionalidade: Estados Unidos
Ano: 2011
Direção: Garry Marshall
Gênero: Comédia, romance
Duração: 1:58
Plataforma: Google Play, Apple TV, Microsoft, Looke

Várias estórias de casais e solteiros se entrelaçam em Nova York na véspera do Ano Novo. A ligação entre os personagens e as estórias vai sendo revelada aos poucos, e o espectador consegue acompanhar todas elas sem se perder. Romances, superações, amizades… eis alguns dos temas.

“Noite de Ano Novo”, poderia muito bem se chamar “Noite de Ano Novo em Nova York”. Tudo se passa na cidade, mais especificamente nos bairros ricos de Manhattan. São oito estórias paralelas distribuídas em 118 minutos de filme, em uma tela recheada de astros de Hollywood.

E se você não se lembra, Marshall é o mesmo que dirigiu “Idas e Vindas do Amor” (“Valentine’s Day”, 2010). Mais uma vez, sob o roteiro de Katherine Fugate, ele tece uma colcha de retalhos, valendo-se de um elenco composto por atores renomados, como Halle Berry, Jessica Biel, Sarah Jessica Parker, Zac Efron, Robert de Niro, Ashton Kutcher, Michele Pfeiffer, Sofia Vergara e muitos mais, incluindo até Jon Bon Jovi.

Comemorar o Ano Novo faz parte da maioria das sociedades do nosso planeta: é um ritual que marca o encerramento de um ciclo de vida e o início de um novo tempo. Cada cultura celebra esse momento à sua maneira. E parece que nesse filme, muitos estereótipos da cultura americana se fazem presentes, inclusive o excesso de merchandising. O filme nos lembra o tempo todo de como o consumo faz parte de nossas vidas.

Se você procura por distração sem falsas promessas de Ano Novo, aí está uma boa ocasião para ver esse filme despretensioso.

Afinal, não tem como não lembrar daquela velha e boa piada entre os psicanalistas: “festas de fim de ano equivalem ao Seminário 10 de Lacan” (Angústia).

Esse filme não promete te tirar dela. Mas poderá entreter você por alguns minutos.

Tags:

#JéssicaKuhn #i-PSIne #Psicanálise #NoiteDeAnoNovo #GarryMarshall